""Eu segurei muitas coisas em minhas mãos e eu as perdi; mas tudo que eu coloquei nas mãos de Deus eu ainda possuo." Martin Luther King

Maria diz

No Silêncio Sou um sonho ou a vida
Que se esvai
Neste minucioso
Bote que me atrai
Sou um nostálgico silêncio
Que sente
Sou a dor esquecida
Num corpo presente Tenho no infinito azul
Um sonho doce por revelar,
Mas perdi as asas
Não posso voar
Sossego na simplicidade
E na maciez da fome
E ouço-me no alto mar
Num bote sem nome
(Maria Marques)

3 comentários:

VÓNY FERREIRA disse...

E quantas vezes a tua voz cheia de silêncios é ouvida no mais profundo do nosso coração porque nos falas sem falares, porque nos chegas sem vires, simplesmente porque já estás dentro de nós.
Maria rima com alegria.
Magia rima com poesia.
É assim que te vejo, minha amiga!
Beijos
Vóny Ferrreira

Mara disse...

Lindo este poema. Muito lindo!
parabens Maria
Um beijo para ti Isa

luar disse...

"Mas perdi as asas, não posso voar"
Restam os amigos,para nos apoiar, para nos ajudar a levantar, quando as nossas asas já não o conseguem fazer.
Lindo Maria!
Beijos de Luar