""Eu segurei muitas coisas em minhas mãos e eu as perdi; mas tudo que eu coloquei nas mãos de Deus eu ainda possuo." Martin Luther King

Ternura

Eu te peço perdão por te amar de repente Embora o meu amor seja uma velha canção nos teus ouvidos Das horas que passei à sombra dos teus gestos Bebendo em tua boca o perfume dos sorrisos Das noites que vivi acalentado Pela graça indizivel dos teus passos ternamente fugindo Trago a doçura dos que aceitam melancolicamente E posso dizer-te que o grande afecto que te deixo Não traz o exaspero das lágrimas nem a fascinação das promessas Nem as misteriosas palavras dos véus da alma... É um sossego, uma unção, um transbondamento de caricias E só te pede que te repouses quieta, muito quieta, E deixes que as mãos cálidas da noite encontrem sem fatalidade O olhar estático da aurora. (De antologia poética - Vinicius de Moraes)

4 comentários:

Fragmentos de Elliana Alves disse...

Quando fala o amor, a voz de todos os deuses deixa o céu embriagado de harmonia.
William Shakespeare.

Lindoooooooooo texto amei,bjssssss e bom final de semana,adoreiiiiiii mesmoooo.

Fragmentos de Elliana Alves disse...

Eu te peço perdão por te amar de repente
Embora o meu amor seja uma velha canção nos teus ouvidos...

Que lindo,nunca deveria pedir perdão por amar,parabens,e bom fds p vc...Hoje estou de

Fátima disse...

Tenho desgosto de certos destinos não se cruzarem... Este poeta...Bem...alma azul em beijo azul! Amo-te Vinicius até á eternidade!

Wahine kia ora hoa

Gui disse...

"A vida é a arte do encontro,
embora haja tantos desencontros pela vida”
(Vinícius de Moraes)

Beijos
Gui