""Eu segurei muitas coisas em minhas mãos e eu as perdi; mas tudo que eu coloquei nas mãos de Deus eu ainda possuo." Martin Luther King

Procura-te

Quando no meio do nada O sol se faz sentir No murmurio verde da folhagem Procuro-te O vento sabe o teu nome de tanto chamar por ti sinto-o na minha alma errante nas pedras cintilantes do fundo do rio dourado vejo o teu sorriso doce sinto-te sem te sentir olho-te sem te ver ouço a tua voz que nada me diz preciso de um ombro amigo para chorar o meu sofrer se eu pudesse voar asas em movimentos esbatidos no celestial azul infinito em busca da liberdade eu e tu e tu e eu presos na mesma saudade almas gemeas que se buscam talvez...na eternidade...

2 comentários:

Gui disse...

Querida e estimada amiga, as férias acabam tão depressa.Voltei para a labuta diária. Deixo-te um abraço e falo-te ainda acerca do meu sonho de encontrar a minha alma gemea. Na eternidada...talvez.
Gui

Haere Mai disse...

A minha querida amiga escreve muito bem.Estou impressionada! ainda bem, qualquer dia espro ver-te no Luso Poemas.Beijo azul