""Eu segurei muitas coisas em minhas mãos e eu as perdi; mas tudo que eu coloquei nas mãos de Deus eu ainda possuo." Martin Luther King

Homenagem ao João

Hoje morreu o João.
O João era um sem-abrigo por quem ganhei amizade.
"Vivia" num vão de escada perto do meu espaço.Costumava levar-lhe o pequeno-almoço, e dar dois dedos de conversa antes de iniciar o meu dia. Se me atrasava mostrava-se preocupado.
Por ocasião do acidente do meu filho, foi constante a sua preocupação, mais do que de alguns pseudo-amigos, que nunca tiveram tempo nem vontade de me fazer um simples telefonema.
Era simpático e delicado, tinha uns olhinhos perspicazes e muito vivos. Tinha sempre uma palavrinha amável para cada pessoa que a ele se chegava. As pessoas gostavam dele, levavam-lhe comida e cobertores.
Era uma pessoa culta e falava correctamente ingles. Já tinha sido "alguem" na vida segundo ele dizia. Ficou de me contar a sua historia um dia, não tivemos tempo.
O João tinha um cão, o Rex, castanho amarelado, mais negro de sujidade do que própriamente castanho, meio rameloso, com quem ele partilhava a comida e agasalhos. Adorava o seu companheiro de infortunio como ele dizia. Hoje quando cheguei surpreendeu-me o aparato policial , selavam o espaço onde ele habitualmente se encontrava. O João tinha morrido.
Juntou-se uma multidão a tecer comentarios, talvez pessoas que nunca se preocuparam com ele, que não se abeiraram dele, nem sempre cheirava muito bem o pobre do João. Por vezes enquanto comia a sopa quente que lhe levava eu ficava ali a fumar um cigarro e a olha-lo. A pensar porque motivo a vida o atirara para aquela situação. Por diversas vezes tentei convece-lo a procurar ajuda numa instituição. Nao queria, amava a liberdade, sentia-se livre nesta sua vida miserável. Era a vida que lhe agradava.
Ao fim do dia chegou o sub-delegado de saude. Mãos frias e rostos indiferentes transportaram o João dentro de um saco preto.
Adeus João, descansa em paz. Vou sentir a tua falta, meu amigo. Não tornarei a ver o teu sorriso sem dentes a dizer: bom dia minha flor dos trópicos

12 comentários:

notyet disse...

Estranho é o caminho da vida e da morte,mas já não foi o João que transportaram no saco...

O Meu Confessionário da Alma disse...

Olá...
Li esta tua ultima entrada... E fiquei em lágrimas, pela beleza das tuas palavras...
Apesar de triste, tem o seu lado de fascinio a vida que para alguns parece tão insignificante pode ter mil e uma histórias capazes de preencher blocos de folhas em branco... Tive pena que o "João" não te tenha contado a sua história, mas partilhou parte da mesma contigo e criou um elo.
Achei bela a expressão "Flor tropical"...
O que foi feito do caozinho?
Tristemente belo...
Beijoca...

Mara disse...

Hoje só te quero agradecer por teres sido amiga do João.
A esta hora ele caminha para um mundo melhor, onde só há paz e amor.
E vai sempre olhar por ti.
Um dia, minha amiga, acredita que vai voltar a fazer parte da tua vida. As boas acções nunca são esquecidas.
Um beijo para ti Isa

Gui disse...

Acredito que os mendigos são pessoas que funcionam como mensajeiros e não aparecem no nosso caminho por acaso.
Cumpriste a tua parte Isa. queira Deus que todos nós o saibamos fazer tambem.
Um abraço.
Gui

Maysha disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Xana disse...

O sorriso do João ficou contigo no teu coração, e isso ele deve saber minha amiga :)
Todos temos o nosso fado, uns mais que outros, a vida anda ...anda... mas acabmos todos como o joão, simplesmente no coração daqueles que nos amam.
beijinho princesa

Chirifulfly disse...

Adorei isso, serio mesmo. Sempre que encontro alguém assim procuro cumprimentar e sorrir verdadeiramente para estas pessoas.

Joana disse...

Infelizmente é sina da nossa vida, a morte, não sabemos o motivo pelo qual acontece, mas acontece.Que descanse em paz nao é mami bela:(beijocas

MARCOS LEITE(O POETA DA VIDA) disse...

minha linda,amiga,obrigado pelos presente,e disculpe,por agora estar agradeçendo,sabe,eu estava viajando,ai ficava dicil de entrar.

espero que continue me visitando!

Palavras de Osho disse...

Belíssima homenagem.

Xana disse...

Tens lá um selo na minha tasquinha
:)

Andradarte disse...

Paz à sua alma, e que as mãos nunca lhe doam. Neste caso, nunca
se canse de fazer o bem.