""Eu segurei muitas coisas em minhas mãos e eu as perdi; mas tudo que eu coloquei nas mãos de Deus eu ainda possuo." Martin Luther King

Vai chegar o Outono

Folhas amarelas, vermelhas e castanhas no chão.
Elas caem das árvores e flutuam no ar, proclamando o final de uma vida. O vento leva-as com delicadeza até seu encontro final com os relvados fofos dos jardins ou com o asfalto duro da rua. As mornas brisas do Outono vão brincar com as folhas moribundas e transformar a tristeza em alegria. As folhas de Outono cambalhoteiam e esvoaçam, girando em círculos, num último adeus à sua mãe árvore que lhes deu a vida na Primavera.
Na sua breve existência, vestiram de verde as árvores dos jardins, dos pomares e dos bosques; deram sombra aos passarinhos e aos humanos.
Agora, ao cair, elas fertilizarão os solos como adubo orgânico, num ciclo de vida e de morte que se repete todos os anos. (Prof. Vaz Nunes)
(¸.•*´¨) ¸.•*¨)(¸.•`*(¸.•*´¨) ¸.•*¨)(¸.•`*(¸.•*´¨) ¸.•*¨)(¸.•`*

3 comentários:

Andradarte disse...

Gosto da Primavera....mas nada é mais lindo e repousante, que as cores do Outono...
Beijo

Bloguinho da Zizi disse...

Amiga
Senti o final do Verão aí e já vi algumas folhas secas pelo chão.
Soube naquele momento que uma certa melancolia estaria no ar daquele momento em diante, preparando a vida para o recolhimento.
Chego aqui e as flores se fazem presentes, num cenário repleto de luz e beleza.
Contrastes!

Beijinhos

**♥✿-franciete-✿♥** disse...

Eu sou como a folha seca
Perdida nesse jardim
Vim para amar nesta vida
E do amor me perdi


Era alta madrugada
Que a ti amor encontrei
Eu vinha de um bar da esquina
Tu de onde vinhas? Não sei


Caído nessa calçada
Assim te fui encontrar
Ao abeirar-me de ti
teus olhos eu vi chorar


Eu não pude levantar-te
Choro pelo que não fiz
E pela minha fraqueza
É que sou triste e infeliz


Perdoa-me meu amor
Meus olhos sem foça estão
Velando e rogando a Deus
Por aqueles que estão no chão


Eu sou a folha de Outono
Caída pelo jardim
Deixo-te a minha saudade
A melhor parte de mim


Certa de que tudo é belo
Que tudo é igual ao vento
Menos a folha do chão
Caiada no esquecimento

Amiga querida este é pelas vezes que aqui não venho beijinhos de luz e paz...